Tem 0 produtos no seu cesto

O SEU CARRINHO ESTÁ VAZIO DE MOMENTO.

Como Aumentar a Imunidade: 10 Alimentos que te vão Ajudar

A alimentação é determinante, não só para evitarmos doenças, mas também para regressarmos mais rapidamente a um estado saudável, sempre que ficamos debilitados. Conforme terá disto o pai da Medicina, Hipócrates, “que os teus alimentos sejam os teus medicamentos e que os teus medicamentos sejam os teus alimentos”.

Hoje em dia, o conhecimento científico acumulado faz com que exista um consenso global de que uma alimentação adequada deve ser variada, contendo macro-nutrientes (proteínas, hidratos de carbono e gorduras), bem como micro-nutrientes (vitaminas e minerais).

Esta combinação permite-nos, ao mesmo tempo, uma grande riqueza de sabores, que variam de acordo com os ciclos da natureza e nos fornecem os macro e micronutrientes de que precisamos.

Seleccionámos uma lista de 10 alimentos que são grandes aliados em aumentar a tua imunidade, quando o frio ameaça desestabilizar a nossa saúde. Toma nota e bom apetite!

Aveia

Embora durante muito tempo tenha perdido protagonismo na mesa e nos hábitos alimentares dos portugueses, nos últimos anos a aveia tem vindo a recuperar a sua importância e já a encontramos em qualquer supermercado.

É um cereal bastante nutritivo, com imensas propriedades nutricionais e medicinais. Apresenta-se sob várias formas, o que permite diversificar o seu consumo. Os flocos de aveia, por exemplo, podem ser utilizados como cereal de pequeno-almoço. As bolachas e as bebidas de aveia (erradamente designadas como “leite de aveia”) podem ser consumidas quentes ou frias, isoladas ou misturadas em muesli ou com outros preparados (chocolate quente, cereais torrados, café, etc.).

A ciência confirma as propriedades da aveia na redução do colesterol elevado e na tonificação do funcionamento intestinal, pela sua riqueza em fibras. É também um excelente alimento anti-stresse, devido ao seu alto teor de vitaminas do complexo B, exercendo sobre o sistema nervoso central uma acção anti-depressiva. Contém ainda uma importante quantidade de proteínas (12 gramas por cada 100), bem como de potássio e magnésio.

Gengibre

Utilizado vulgarmente na cozinha dos países asiáticos, é ainda pouco utilizado no nosso país.

É um poderoso anti-inflamatório, com poder de alíviar a tosse, febre e sintomatologia associada a constipações e outras infecções respiratórias. Previne também as náuseas de uma forma geral, nomeadamente as que estão associadas a tratamentos de quimioterapia. De acordo com a medicina tradicional chinesa, o gengibre estimula a circulação sanguínea e o fluxo da energia vital, aquecendo o corpo.

Na cozinha, pode ser utilizado como condimento em pratos variados, tanto salgados como doces, ou consumido sob a forma de infusão (simples, ou misturado com sumo de limão e mel).

Alcachofra

Ainda pouco consumida em Portugal, a alcachofra deveria ser presença regular nas nossas mesas, onde pode contrariar os efeitos de alimentos com mais gordura e de digestão difícil, que são frequentes nesta altura do ano.

Estimulante do normal funcionamento do fígado e da vesícula, é um importante recurso medicinal para quem sofre de disquinésia biliar (deficiente funcionamento deste órgão).

Rico numa substância designada como cinarina, pode ser útil no tratamento adjuvante de colesterol elevado, retenção de líquidos e hipertensão. Pelo seu efeito desintoxicante e depurativo é também comercializada internacionalmente sob a forma de suplemento em cápsulas e/ou xarope (suspensão). O seu uso tradicional inclui ainda o tratamento da gota e doenças reumáticas.

A alcachofra pode ser cozida (comem-se as folhas mais internas, nas suas bases, temperadas com azeite) ou como ingrediente de sopas, pratos e guisados.

Mel com propolis

Excelente alimento energético, o mel contém propriedades medicinais que começam a ser mais conhecidas pela ciência nutricional moderna.

A adição de propolis (uma resina da colmeia), com importantes propriedades anti-virais e bactericidas, torna este alimento um importante aliado na prevenção e tratamento das infecções respiratórias, características da estação.

É também útil em doentes convalescentes e crónicos (excepto doentes diabéticos), para a cicatrização de feridas, internas e externas, úlceras gastro-duodenais, e apresenta bons resultados como expectorante em casos de tosse.

Pode ser consumido isolado, de forma moderada, de manhã em jejum e à noite, ou adicionado a bebidas quentes como chás e infusões.

Ameixa seca

Derivadas de uma variedade tradicional do sul de Bordéus, as ameixas secas são uma verdadeira fonte de juventude.

Quando os cientistas do Departamento de Agricultura do governo americano testaram a riqueza em substâncias antioxidantes de variadíssimos frutos e legumes, através de um teste designado por ORAC (Oxygen Radical Absorbance Capacity – teste que mede a capacidade de determinado alimento absorver os radicais livres de oxigénio), as ameixas secas ultrapassaram todos os alimentos testados.

Para além desta notável capacidade de protecção do nosso corpo, as ameixas secas são muito úteis no tratamento e prevenção da obstipação, principalmente em idosos e crianças que não consumam legumes e frutos regularmente. Têm ainda um efeito energético e, pela sua riqueza em potássio, diminuem a pressão arterial elevada. Podem ser consumidas isoladas (3-4 por dia), com muesli ou cereais de pequeno-almoço, ou ainda na confecção de bolos, biscoitos, bolachas e pudins.

 Mirtilo

Já é cultivado em Portugal e tem vindo a ganhar destaque entre os frutos vermelhos. O mirtilo foi o segundo classificado no já referido teste ORAC, uma espécie de ranking de riqueza antioxidante presente nos alimentos.

Contém um grupo de substâncias designadas por antocianidinas, que protegem os vasos sanguíneos, sendo muito úteis no tratamento de perturbações circulatórias periféricas e da visão.

São também importantes no tratamento de infecções urinárias e transtornos do cólon em que existam diarreias frequentes. Fundamental para os idosos pela prevenção e diminuição das cataratas e cegueira senil (por exemplo por degenerescência macular).

Podem ser consumidos sob a forma de fruto fresco ou adicionado a sobremesas ou iogurtes.

Rebentos

Os rebentos são um autêntico armazém de nutrientes, de fácil absorção e utilização no organismo humano.

Constituem um verdadeiro alimento vivo, capaz de conferir grande parte desta vitalidade às nossas células e tecidos. A germinação dos feijões (soja, feijão, bambu, etc.) aumenta a riqueza nutricional e a bio-disponibilidade desses mesmos nutrientes.

Um estudo com grãos de trigo revelou o aumento, em cerca de seis vezes, do conteúdo de vitamina C dos rebentos de trigo, quando comparados com os grãos originais. Permitem adicionar enzimas à alimentação regular, melhorando todo o processo digestivo e facilitando a assimilação dos nutrientes.

Os rebentos são de muito fácil digestão, e podem ser adicionados a saladas, sanduíches, sopas, guisados ou consumidos como snacks entre as refeições, crus ou levemente cozidos, como na cozinha chinesa.

Podem ser adquiridos nos supermercados habituais ou germinados em casa, em qualquer altura do ano.

Chá e infusões

O espaço é curto para descrever todas as vantagens do consumo de chás e infusões nesta altura do ano.

Para além de ser uma das mais agradáveis formas de aumentar o consumo de líquidos (o fraco consumo de líquidos em tempo frio pode provocar consequências negativas, como cistites, no sexo feminino), o chá tem associados benefícios medicinais que se adaptam a diferentes necessidades.

Entre outros efeitos, o chá verde é recomendado para a tonificação e prevenção cardiovascular, a infusão de funcho ou anis para digestões difíceis, a infusão de camomila para acalmar a ansiedade, a infusão de perpétuas roxas para os problemas da faringe e laringe, etc.

Existem tantas opções que facilmente encontra uma infusão ou chá que seja do seu agrado, e com benefícios para a sua saúde. Uma chávena de chá é uma chávena de saúde !

Caril / Curcuma

Esta especiaria vinda do Oriente tem vindo a ganhar popularidade no nosso país, e ainda bem.

Tradicionalmente utilizado na cozinha Indiana, a base da sua preparação é a curcuma (um tubérculo) que lhe confere a cor amarelada, e que por sua vez é uma importante planta da medicina ayurvédica (medicina tradicional da Índia). É precisamente a curcuma que tem revelado, em inúmeros estudos científicos, capacidade de prevenção da formação e desenvolvimento de tumores malignos, bloqueando os sinais biológicos do crescimento das células cancerígenas. Outros estudos comprovam importantes propriedades antioxidantes, com eventual diminuição do risco da doença de Alzheimer com o consumo regular de caril.

Alguns dos pratos mais populares são o caril de peixe ou de camarão, e os pratos vegetarianos

Chocolate / Cacau

Derivado do cacau, o chocolate tem sido um dos alimentos mais “atacados” nos últimos anos, associado ao consumo excessivo de açúcar. O problema é que a maioria dos «chocolates» que existem no mercado têm mais açúcar e outros ingredientes nocivos do que cacau. NUnca se esqueça de ler o rótulo e verificar se o primeiro ingrediente da lista é mesmo cacau, com 70% ou mais.

Nos chocolates em que, de facto, predomina o cacau, este alimento pode ser utilizado em dietas de emagrecimento, devido ao seu baixo índice glicémico.

É uma excelente fonte de flavonóides, quase comparável ao chá verde e ao vinho tinto, e de sais minerais como o magnésio, com todas as propriedades tonificantes deste mineral no sistema nervoso.

São-lhe reconhecidos também efeitos tonificantes e anti-depressivos pela presença de teobromina, sendo igualmente útil no alívio da tosse e garganta irritada.

Pode ser consumido em forma de tablete, sobremesas ou bebidas. Para maximizar os benefícios, deve consumi-lo de forma regular mas sempre em pequenas quantidades.

Dora Alexandre
Responsável de Comunicação e Marketing - Grupo Editorial Presença