Tem 0 produtos no seu cesto

O SEU CARRINHO ESTÁ VAZIO DE MOMENTO.

Como Desintoxicar o Corpo após Período Natalício

Afinal o que é isto do detox e para que serve?

Antes de mais é importante que se distinga entre o que quer dizer desintoxicar o organismo  de drogas e álcool e uma “desintoxicação metabólica” por excessos alimentares e todo o tipo de  contaminantes acumulados ao longo do ano. Vamos então focar na desintoxicação metabólica, má que a primeira deve ser obrigatoriamente acompanhada pela clínica médica.

Em primeiro lugar devemos pensar nos poluentes que nos rodeiam e estão presentes em todo o lado – no ar, na água, nos solos, nos alimentos que consumimos e nos que temos acumulados no nosso organismo.  Ora o objectivo do  processo detox é exactamente este – promover a eliminação destes compostos tóxicos do nosso organismo e o início do ano é sem dúvida uma boa altura para dar este passo a favor da saúde.
E para isto contamos com o nosso fígado, intestinos, rins, pele, respiração.

Este processo ocorre basicamente no fígado (60-65%) e nos intestinos (20%), uma vez que estes são os órgãos mais expostos ao contacto com os agentes absorvidos a partir do exterior.

O fígado é a chave para se ter saúde! É verdade que o fígado tem uma  capacidade única de auto-regeneração que, contudo, pode levar vários anos. Através de um programa de detoxificação e de dieta  apropriados, conseguimos acelerar este processo de regeneração.

Vamos então explicar como podes desintoxicar o corpo após períodos de excessos alimentares.

O processo da desintoxicação passa por duas fases importantes : Fase I e a Fase II

A primeira serve para o fígado transformar quer as toxinas que se formam no interior do organismo, quer as que são absorvidas do exterior, utilizando um complexo sistema de enzimas, preparando-as para serem processadas na Fase II. Nesta fase, os compostos tóxicos são então excretados pela urina e fezes.

Outras funções que devemos estimular para promover a detoxificação:

  • Estimular a peristalse intestinal (movimentos do intestino);
  • Estimular a Diurese (produção de urina);
  • Estimular a circulação sanguínea e linfática;
  • Erradicação de patogéneos – fungos, bactérias, vírus, helmintos, etc;
  • Prevenção da deposição de gordura no fígado;
  • Estimular a produção de bilis pelo fígado.

Como nesta altura do ano houve exageros no consumo de fritos e doces, é normal que o fígado tenha que processar mais gordura. Por outro lado a carga de açúcar e o tipo de açúcares que se consomem são promotores do que se designa por inflamação crónica de baixo grau!! O aumento do consumo de carnes, patés, enchidos  e queijos  que se verifica também nesta quadra festiva leva ao aumento da acidez no corpo.

A considerar ainda a grande variedade de poluentes e tóxicos que nos rodeiam:

1 – Poluição química – por PCB’s, Dioxinas, Compostos Orgânicos Voláteis, Furanos, Ftalatos,  entre outros. Esta poluição pode ser:

  • Externa – presentes no ar. De referir que  a qualidade do  ar em Lisboa tem vindo a degradar-se acentuadamente com o aumento da poluição causada pelos navios de cruzeiro e pelo aumento do trafego aéreo, situação que irá piorar a curto prazo com o aumento significativo  de novas aterragens no aeroporto. Em muitos dias do ano a poluição do ar na capital já excede o máximo permitido por lei. Só PCBs estão identificados nos fumos libertados por várias indústrias mais de 200 distintos tipos, sendo que a maioria, senão a totalidade, são carcinogénicos. Os ftalatos são um grupo de mais de 50 substâncias químicas e que são libertados pelas embalagens plásticas. Estes químicos  comportam-se como xenoestrogeneos, ou seja, estrogeneos estranhos ao organismo humano e que  promovem a proliferação de  maus estrogeneos, os quais apresentam risco para a saúde humana, nomeadamente  aumentam o risco de cancro da mama e da próstata. Mas há outros químicos que também são considerados xenoestrogeneos como, detergentes, inseticidas, herbicidas, fungicidas, Bisfenol A, etc.
  • Interna – presentes nos alimentos,  nos produtos de higiene corporal e da casa,  etc., etc.

 
2 – Poluição electromagnética resultante da grande panóplia de equipamentos electrónicos que nos rodeiam e que provoca alteração do nosso ciclo circadiano, por afretar a produção de melatonina. Por outro lado, continuam sob suspeita a relação destas radiações e o cancro no cérebro.

3  –  Poluição biológica bactérias, fungos, bolores, parasitas, polens, etc.,etc, os quais provocam alteração da flora intestinal que leva à hiperpermeabilidade intestinal que por sua vez por levar a reações alérgicas, doenças auto-imunes, doenças de pele, dores musculares e articulares, défice de atenção, etc.

No atleta há a considerar ainda os metabolitos resultantes da  actividade física  intensa ao longo de uma época (já todos ouviram falar na acidez  que se ganha ao fazer-se exercício e que provoca fadiga, diminuição da força e dor muscular), bem como na agressão sobre o sistema imunitário causada pelo exercício intenso e consecutivo, na agressão muscular, os efeitos da desidratação, etc., etc. Se a isto associarmos os fatores tóxicos referidos acima, dificilmente  o atleta poderá esperar uma “saúde de ferro” ou a sua melhor performance desportiva!!!

Assim, é absolutamente essencial que o atleta ocasional, amador ou profissional, através de um modo natural e integrado atue na promoção da sua saúde, o que inclui a desintoxicação – via natural de eliminação de toxinas do organismo e de redução da exposição, face aos poluentes ambientais, pesticidas, herbicidas, antibióticos, anti-inflamatorios  e outros fármacos, aditivos químicos (corantes, conservantes, aromatizantes, etc.) que se encontram nos alimentos e não só.

É importante que o indivíduo tenha atenção a alguns sinais como: cefaleias, enxaquecas, cansaço excessivo, perda de cabelo, alterações na pele, unhas  fracas, dores musculares e articulares, alergias, depressão , perda de memória, hiperatividade, obstipação ou diarreias. Estes poderão ser sinais de sobrecarga do fígado, alterações da permeabilidade, desequilíbrios hormonais, que tenham sido resultantes desta intoxicação.

Disfunções associadas com a acumulação de toxinas no organismo:

  • Desequilíbrios hormonais
  • Obesidade
  • Diabetes
  • Doenças cardiovasculares
  • Disfunções digestivas
  • Alergias
  • Distúrbios da tiróide
  • Enfraquecimento do sistema imunitário

 
Os melhores alimentos DETOX

  • Parece ser evidente que cada vez se come menos verduras, quer pelo preço quer devido à falta de tempo para as cozinhar, mas essencialmente porque sabe melhor comer alimentos mais doces e mais refinados. Ora, estes são alimentos que possuem os fitopigmentos essenciais à detoxificação! Não são a coca-cola, nem os bifes, nem as batatas fritas e muito menos os bolos!
  • Os benefícios essenciais destes alimentos devem-se às suas propriedades antioxidantes, anti-inflamatórias, ao aumento da acção das enzimas antioxidantes e ao seu efeito protector e regenerador hepático.
  • Verduras:  alcachofras, brócolos,  repolho, couve-flor, couve roxa, couve de Bruxelas, couve galega, nabo, agrião,  rábano,  rabanete e rúcula. Estes alimentos são ricos em compostos com enxofre, os quais têm uma grande capacidade para aumentar a produção de enzimas desintoxicantes.
  • Limão e frutos ricos em antioxidantes como as framboesas, morangos, cerejas, romã, amoras, mirtilos.
  • Chá verde
  • Alho
  • Aloé vera
  • Propolis
  • Sizandra
  • Bardana
  • Triphala
  • Condimentos: Curcuma ou Açafrão da Índia: antioxidante; aumenta a produção de glutatião, Gengibre, Pimenta Caiena, Alecrim: potente acção antioxidante e anti-inflamatória. Hortelã-pimenta, Canela.

PLANO DE SETE DIAS (Para desintoxicar dos excessos do Natal)

Dieta DETOX  primeiros dois dias:

Ao levantar: Copo de água com sumo de meio limão

Pequeno-Almoço – Batido Verde: Beber pelo menos um copo suco de vegetais frescos por dia. Por exemplo: beterraba, com cenoura, brócolos e frutos vermelhos e gengibre e orégãos e um dente de alho e Clorela OU:  cenoura com espinafres, maçã , curcuma, funcho e dente de alho e Spirulina. Adicionar sempre um  cubo de biomassa de banana verde  ou uma colher de sobremesa de banana verde em pó.

Lanche  Caneca de chá verde BIO com meia pera-abacate

Almoço Sopa legumes – 2 pratos +  1 fruta fresca (prato de frutos vermelhos, ou morangos ou maçã ou  romã ou uma rodela de ananás ou meia papaia).

Lanche Uma fruta  ( uma maçã) +  Caneca de chá verde BIO

Jantar 1 Smoothie com 1 uma medida de BCAA’s em pó + uma fruta fresca + um vegetal de folha verde + ½ cenoura + água filtrada + colher de café de curcuma + 100 ml de kefir, (sem pimenta/gengibre)

Do 3º ao 7º dias

Pequeno-Almoço – smoothie diário (ver anterior)

Lanche – podem entrar os frutos secos (25 g a cada lanche. Privilegiar: nozes, amêndoas, castanha do Brasil, pevides de abóbora) + Caneca Chá Verde BIO

Almoço – sopa de legumes (sem batata)  e entra  proteína animal- peixes pequenos  ou frango campo e saladas ou legumes cozidos a vapor (1/2 prato)  e 1 colher sopa quinoa ou arroz integral

Verduras a usar: brócolos, grelos couve, espinafres, agrião, cogumelos, curgete, couve-flor, beterraba, rabano, couve roxa, rúcula, cenoura.

Usar sementes de sésamo, pevides de abóbora, sementes de  linhaça previamente trituradas, para temperar as saladas e/ou  vegetais cozidos

Lanches da tarde –  uma dose de frutos secos + Caneca de chá verde BIO

Jantar sopa de legumes (sem batata, sem farináceos) +  batido proteína vegetal (Ver V-Protein).

Plano de Dieta Detox para 30 Dias

Para situações de obesidade, doenças auto-imunes, diabetes/IR,  Problemas Gastro-Intestinais; Quadro Enxaquecas/Dores articulares, continuar com o plano que poderá ser alargado até ás 12 semanas.

Deverá continuar a excluir os alimentos com glúten, os  lácteos com lactose, carnes vermelhas, cafeína, álcool, aditivos químicos.

Suplementos a serem utilizados durante a Dieta Detox

A importância da Água

Cerca de 70% do nosso corpo é composto por água. A água está envolvida, praticamente, em todos os processos fisiológicos, tais como, digestão, absorção, circulação e eliminação. A água é também o transportador principal de nutrientes no organismo, ajuda a manter a temperatura corporal e a eliminar todas as toxinas do corpo. Deste modo, repor a água, que está constantemente a ser eliminada, pela respiração, suor, urina,  é essencial.

Como já foi referido, neste período desintoxicante, devem-se beber pelo menos 8 copos de 240 ml de água filtrada, por dia, ou melhor 35ml/kg peso corporal. O aspecto da pureza da água é fulcral – da mesma maneira que não pomos óleo queimado no nosso carro, também devemos dar ao nosso corpo a melhor água.

Quando usar água engarrafada preferir a embalagem de vidro. A embalagem de plástico mole, sob a acção do calor, deixa passar partículas tóxicas do plástico para a água. Para além disso nem toda a água engarrafada tem qualidade – qualquer água que tenha sabor a cloro (lixívia) deve ser rejeitada. Os filtros de carvão activado removem odores, cores e sabores da água. São muito apropriados para eliminar o cloro, o qual é um elemento  muito perigoso para a saúde do atleta – é um agente oxidante, altamente reactivo, que tende a ligar-se a contaminantes orgânicos, formando agentes carcinogénicos. O cloro na água, pode também contribuir para a doença cardíaca. Outros filtros que estão disponíveis, quer nas farmácias, quer nas dietéticas, têm capacidade inclusivé de reter os metais pesados (alumínio, chumbo, etc.) e contaminantes orgânicos – estes são os mais completos.

Nunca é demais relembrar que fazendo uma dieta rica em frutos e vegetais, tomar um bom suplemento antioxidante e manter os nossos sistemas de eliminação (intestinos, pele, rins) em boas condições, seremos capazes de neutralizar  ou eliminar as toxinas que consumimos.

Os benefícios da Clorofila

A clorofila é o pigmento que torna as plantas verdes.

É um fitonutriente com um forte poder revitalizante e desintoxicante, nomeadamente ao nível hepático e intestinal. A clorofila ajuda a purificar o sangue, eliminar os depósitos de toxinas, incluindo metais pesados, neutralizar a acção dos ácidos e aumenta a oxigenação dos tecidos do nosso corpo, protegendo-nos contra os efeitos da poluição, nomeadamente do monóxido de carbono (veneno libertado pelo fumo dos carros). Apresenta ainda propriedades desodorizantes, removendo odores internos.

A clorofila encontra-se em todos os alimentos verdes, mas as melhores e mais concentradas fontes são a folha da cevada e do trigo (quando ainda são verdes) as algas kelp, spirulina e clorela a erva de trigo e cevada verdes são todas excelentes fontes.

Outros benefícios dos alimentos verdes

Para além da clorofila, não podemos esquecer que os vegetais verdes são também ricos noutros pigmentos, como os carotenos, os quais têm um forte poder antioxidante.  Os antioxidantes são fundamentais para eliminar os radicais livres que se formam durante a actividade física intensa, provocando inflamações musculares, os quais podem levar a lesões mais ou menos graves.

Os alimentos verdes são uma fonte única de fibras – regularizadoras do nível de colesterol e de açúcar, e desintoxicantes dos intestinos, uma vez que promovem o trânsito intestinal, arrastando quer os produtos resultantes da digestão que não interessam ao organismo, quer tóxicos que estejam acumulados ao nível intestinal.

Mas não é tudo, os alimentos verdes são fontes ricas em vitaminas, sais minerais e enzimas digestivas, sendo que algumas têm capacidade anti-inflamatória e outras facilitam a digestão.

Finalmente, estes saudáveis alimentos são muito ricos em água e praticamente desprovidos de valor calórico, podendo ingerir-se em grandes quantidades, sem que provoquem o risco de se engordar.

Exemplo de alimentos desintoxicantes hepáticos :

1 – Couves, Brócolos, espinafres, couve-flor, nabo, rabanete, rábano, repolho, rúcola, agrião, alho, cebola, cenouras, limão, maçã, cerejas, frutos vermelhos.

2 – Plantas e suplementos: cardo-mariano, Triphala, chá verde,  Aloe Vera, MSM, Psilio, Raiz de Bardana, Sizandra, condimentos – pimenta preta, gengibre, cominhos, alecrim, curcuma, coentros, canela.

Dicas para minimizar a ingestão de substâncias tóxicas ao preparar os alimentos:

1 – Retirar as folhas exteriores de couves, alfaces, porque estas concentram a maior parte dos contaminantes.

2 – os vegetais e frutos devem ser bem lavados antes de serem cortados.

3 – Se comprar não BIO, lavar os alimentos com água morna, limpá-los com um pano ou papel de cozinha e voltar a  colocá-los em água salgada (uma colher de sobremesa de sal grosso em um recipiente com água)  ou  usando uma colher de sopa de vinagre em um litro de água e deixar de molho uns minutos.

4 – Tentar evitar comprar alimentos embalados em plástico ou latas.

5  – Evitar comprar alimentos com conservantes químicos – BHT, BHA, sulfitos, nitratos, nitritos, etc.

6 – Cozinhar em  utensílios 100% de  cerâmica ou de ano inoxidável ou vidro ou ferro fundido. O Teflon e o alumínio são os piores.

7 – usar sempre água filtrada para cozinhar os alimentos.

O QUE FAZER:

1º Consulta com nutricionista especialista em nutrição funcional

2º Pese-se antes de começar o plano detox.

3º Medir o perímetro da cintura

4º Faça análises

5º Escreva um diário, anotando as melhorias que se forem verificando

6º Inicie, simultaneamente com o plano da dieta, um plano de exercício físico.

 

Custódio César
Founder e Director Técnico
Excellence means turning dreams into reality.